Estrutura Metálica

Steel Frame: Processo Executivo e principais vantagens

O sistema construtivo Steel Frame tem conquistado o seu espaço no mercado nacional. Com a disseminação de sua técnica construtiva, a produção de insumos nacionais e o incentivo a construções secas, o sistema aparece com destaque e já é bem aceito pelo brasileiro.

Este sistema é uma derivação do sistema norte americano Wood Frame, um sistema desenvolvido na colônia norte americana para atender o rápido crescimento populacional. O que diferencia os dois é que em um é utilizado a madeira e no outro o aço.

O sistema Steel Frame teve origem nos Estados Unidos. Desde 1930 já se tem registros de sua utilização. Entretanto, somente a partir da década de 80 que o sistema ganhou seu verdadeiro espaço no mercado norte americano, devido a expansão da utilização do aço.

No Japão, o produto foi amplamente adotado após a 2ª Guerra Mundial. Já no Brasil, o produto chegou na década de 90, entretanto com alto custo, pois boa parte dos produtos eram importados. Com o passar do tempo a indústria brasileira passou a produzir os insumos necessários, o que facilitou a disseminação da técnica.

O sistema possui características marcantes como a rapidez na execução, a limpeza da obra e sua precisão industrial.

Componentes do Sistema Steel Frame

casas de steel frameO sistema é simples e basicamente é composto por perfis de aço galvanizado revestidos com placas que podem ser cimentícias, gesso acartonado ou placas OSB.

O sistema não deve ser confundido com o Drywall. O que difere os dois é que no sistema Drywall as paredes têm como única função a vedação, enquanto que no sistema Steel Frame as paredes têm função estrutural.

Os perfis de aço galvanizado são conectados por meio de parafusos e no interior das placas de revestimento é colocado um recheio, que pode ser de lã de vidro, lã de rocha ou lã de poliéster. O objetivo deste recheio é aumentar o conforto térmico e acústico da edificação.

Processo Executivo

1 – Projeto da Edificação:

O primeiro passo do processo executivo é a elaboração de um projeto arquitetônico adequado. A modulação deste sistema é essencial para a redução de custos e agilidade na montagem.

Com o projeto arquitetônico em mãos, um projetista capacitado faz os cálculos necessários e dimensiona os perfis, elaborando um projeto de construção e um projeto de fabricação dos perfis, que será enviado para a indústria.

2 – Produção dos Perfis:

Com o projeto de fabricação pronto, uma indústria especializada fabrica os perfis com precisão milimétrica. Todos os perfis são cadastrados e armazenados conforme a sua futura utilização.

Esta, é uma das grandes vantagens do sistema. Por ser um sistema industrializado evita improvisos e qualquer tipo de desperdício.

3 – Produção dos Painéis:

Ainda dentro da indústria, inicia-se o processo de montagem dos painéis estruturais da edificação. Como por exemplo, a montagem das treliças, tesouras, vigas e painéis das paredes.

Em boa parte dos casos a montagem destes elementos são realizados na indústria, o que evita desperdício e garante maior controle de qualidade dos elementos da edificação.

4 – Execução da Fundação:

O próximo passo é a execução da fundação. A fundação adotada na maioria dos casos é o radier. O radier é uma laje de concreto armado apoiada diretamente no solo, é simples, prático e rápido de ser executado, o que colabora com as características do sistema Steel Frame.

Por se tratar de um sistema com baixo peso próprio é possível reduzir consideravelmente os custos de uma fundação convencional.

5 – Montagem da Estrutura Metálica:

O próximo passo é a montagem da estrutura metálica. Os perfis metálicos e painéis são chumbados no radier com parafusos e conectados entre si.

Esta montagem é simples e rápida, por se tratar de elementos industrializados não dão espaço para improvisos. Por isso, todos os elementos devem ser perfeitamente locados e bem posicionados.

6 – Montagem das placas externas:

Sem seguida são instaladas as placas externas. Para as placas externas o indicado é a utilização dos painéis em chapa de madeira OSB. Sobre a placa de OSB deve ser aplicada uma barreira de vapor, que permite a parede respirar, impedindo a entrada de água e permitindo a saída do vapor.

7 – Execução do revestimento externo:

Em seguida já é possível iniciar a execução do revestimento externo da parede, ou seja, o acabamento final das paredes externas. É o que ficará visível para as pessoas que olharem para sua casa.

8 – Execução das instalações elétricas e hidráulicas:

O próximo passo é a execução das instalações elétricas e hidráulicas. Todas as instalações são previstas em projetos para que os perfis sejam dimensionados de forma adequada, evitando qualquer tipo de corte ou imprevistos neste momento.

9 – Execução do isolamento termo acústico:

O isolamento é garantido pela aplicação de lã de vidro como recheio das edificações. Em alguns casos a lã também é aplicada sobre o forro da edificação.

Um ponto importante a destacar é que este tipo de edificação tem menor absorção de temperaturas externas e menor propagação de ruídos, quando comparado a construções convencionais de alvenaria.

10 – Execução das placas internas:

Com a instalação da lã de vidro finalizada o próximo passo é instalar as placas internas. Neste caso, o material mais utilizado internamente é o gesso acartonado. É importante utilizar placas adequadas para cada ambiente, ou seja, ambientes secos e molhados.

As placas recebem acabamento final próprio do gesso acartonado e em seguida podem receber pintura ou qualquer tipo de revestimento.

11 – Execução da cobertura:

O último passo é a execução da cobertura. As tesouras e treliças já estarão posicionadas, sendo possível adotar qualquer tipo de telhado convencional. Caso, seja seu interesse também é possível a execução de lajes impermeabilizadas.

Principais vantagens

Durante a descrição do processo executivo, algumas vantagens já foram citadas. Entretanto vale destaca os seguintes pontos:

  • Redução do peso próprio da edificação;
  • Redução dos custos da fundação, de até 70%;
  • Estrutura racionalizada e industrializada, garantindo alta precisão;
  • Utilização de água somente na fundação;
  • Canteiro de obras sempre limpo e organizado;
  • Manutenção facilitada;
  • Obra rápida, com redução considerável do prazo de execução;
  • Produtos com alta qualidade devido o processo industrial;
  • Estrutura padronizada que facilita possíveis ampliações e reformas.

Considerações Finais

Quer construir a sua obra com este sistema? O primeiro passo é encontrar uma empresa de qualidade e fazer um bom orçamento. Conforme o local onde você mora e as condições de sua obra pode ser uma solução muito viável economicamente.

Ainda ficou com alguma dúvida ou quer colaborar com o conteúdo, deixe um comentário. Compartilhe com seus amigos este conteúdo, você pode ajudar alguém que está precisando.

Forte abraço.

Esse artigo foi útil para você?

Clique nas estrelas abaixo para avaliar!

Avaliação Média / 5. Total de votos:

Como você gostou deste artigo...

Siga-nos nas Redes Sociais!

mm

Eduardo Daldegan é formado em Engenharia Civil pela PUC-MG. É apaixonado por empreendedorismo e hoje trabalha em diversos projetos. É casado e seu maior empreendimento é a construção da sua família.

Você está sem conexão à internet